"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sábado, 20 de maio de 2017

A chamada operação Patmos e o golpe de mestre...

Para ouvir a música clicar no canto esquerdo da faixa...
















"<<Le soleil, la lune et les étoiles>> est le manifeste voicé de la résistance..."
(anônimo)

Ouvindo agora à noite mais atentamente aos noticiários sobre os acontecimentos políticos e surrealistas dos últimos três dias ficou mais do que evidente que os irmãos Batista, os dois goianos que de modestos açougueiros se transformaram rapidamente em dois milionários, deram um golpe de mestre no país: explicitaram o caipirismo de nossas instituições, destruíram a credibilidade dos três poderes e demonstraram, por A + B que se pode comprar qualquer consciência aqui nos trópicos, sejam elas de esquerda ou de direita, de cima ou de baixo, ignorantes ou intelectuais, religiosos ou ateus, beatas ou cortesãs, altruístas ou egoístas... Chegaram em seu jatinho cor de neblina, distribuíram montanhas de dinheiro a todo tipo de miseráveis e de aves de rapina, filmaram tudo dos ângulos mais humilhantes, foram na casa do Presidente da República depois que a noite já havia caído e lá, com um gravador no bolso enrolaram o número 1 da república, fingiram que iriam pagar 11 bilhões de multas ao judiciário, contaram intimidades escabrosas vividas em todos os salões e alcovas da pátria, tiraram sarro de um ou de outro ministro, de um ou de outro presidente, de um ou de outro candidato, mostraram planilhas de milhões e milhões de reais com um desprezo profundo, mostraram recibos, fotos, truques, notas falsas, falaram dos partidos e de seus integrantes como quem fala de putas e de bordéis de periferia e sempre com uma estabilidade emocional admirável. Por fim, um dia antes de entregar a fita que abalaria o governo, o ego e a moral de todos e que desencadearia o apocalipse, venderam as ações de seus açougues e investiram tudo em dólares, pegaram as malas, os filhos e as mulheres, mais uns dois quilos de pequi, foram para o aeroporto e decolaram para a América em seu jatinho cor de neblina, deixando por aqui, todo mundo de boca aberta e olhando envergonhados para as ruínas disto que Levi Strauss chamou de tristes trópicos...
Para ter sido um golpe ainda mais fantástico e ainda mais cinematográfico, só faltou, minutos antes da decolagem, terem aparecido na janela do jato, jogado uma ou duas malas de dólares e dado uma banana para todos os seus lacaios, tanto de esquerda como de direita.  Quê miséria!

5 comentários:

  1. http://veja.abril.com.br/brasil/irmaos-batista-os-reis-do-abate/

    ResponderExcluir
  2. http://eziobazzo.blogspot.com.br/2001/01/patmos-longnqua-caverna-onde-foi.html#comment-form

    ResponderExcluir
  3. http://veja.abril.com.br/entretenimento/quem-e-ticiana-villas-boas-mulher-do-homem-bomba-da-republica/

    ResponderExcluir
  4. https://www.youtube.com/watch?v=0oS0Dm_N-ZM

    ResponderExcluir
  5. BAZZO, veja como os bicho são mafiosos
    http://veja.abril.com.br/brasil/ex-assessor-de-temer-entregou-mala-com-r-35-mil-a-menos/

    ResponderExcluir