"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

"O inferno são os outros" escreveu Sartre. Além do inferno - segundo especialistas - são também os responsáveis pela nossa hipertensão...

Num livro organizado pela doutora Belkiss Wilma Romano, titulado A prática da psicologia nos hospitais, no capitulo 1. Emoção, doença e cultura: o caso da Hipertensão Essencial, Carmem Lucia Campos Maciel escreve:

a) Pacientes institucionalizados (internos em hospitais): foi comprovado que quanto mais isolados socialmente, isto é, pouco contato humano e pouca fala, menor a pressão sanguínea.
b) Presos em celas isoladas têm, consistentemente, menor pressão sanguínea do que os que moram em celas coletivas.
c) Monges da ordem Trapista, que após tornarem-se monges nunca mais falam com ninguém, têm pressão sanguínea não só mais baixa do que a população em geral, mas mais baixa do que outros tipos de monges que não excluem a conversa das suas vidas diárias.
d) Esquizofrênicos, em geral, têm uma pressão sanguínea bem abaixo da que é encontrada na população em geral.
e) Experiências com mulheres esquizofrênicas hipertensas e hipotensas mostram um padrão claro e consistente: as mulheres que estavam em "muito contato"com o ambiente, emocionalmente bem responsivas, eram hipertensas e sua fala era frequentemente rápida, as pacientes mudas ou catatônicas, fora de contato com o ambiente eram geralmente normotensas ou hipotensas.

"A conclusão geral que se tira destes dados - escreve a autora -  é que isolamento social e ausências de conversas podem ser importantes para diminuir a pressão sanguínea. Confirma-se mais ainda a idéia do contato social como o locus da estimulação social que, para pessoas hiperativas a este tipo de estímulos, como é o caso dos hipertensos, pode ser um fator patógeno." 

Será que Sartre, que era um conhecido degustador de anfetaminas estaria se referindo a isto? 

terça-feira, 28 de junho de 2016

Operação Boca Livre e Mao Tsé Tung...

Brasília, como outras capitais, amanheceu ouriçada hoje, com a sirene da polícia que "caçava" poetas, cineastas, atores, fotógrafos, músicos, cantores, gráficos, escritórios de consultoria, outros picaretas sem profissão definida e etc., personagens que, nos últimos tempos, teriam desviado quase 200 milhões do Ministério da Cultura através da Lei Rouanet. Querendo referir-se ao que a polícia está chamando de Operação Boca livre, uma velhinha que encontrei no elevador pronunciou Lei Roubanet. 
A mídia não fala em outra coisa, e os que recitavam Drumont de Andrade e Gregório de Mattos nos semáforos sumiram de uma hora para outra. Há, pelo menos nas secretarias e repartições chamadas culturais, um clima (exagerando um pouco) parecido com aquele da Revolução cultural promovida por Mao Tsé Tung na China em 1966. Claro que lá foi por questões ideológicas e aqui, por pura gatunagem mesclada com narcisismo... mas, mesmo assim, que há um nexo entre essas duas bizarrices há...   
De minha parte, assistindo a toda essa pequenez e a toda essa miséria, fico logo tentando entender, por um lado, por quê um dos capangas de Hitler dizia que quando ouvia falar em cultura puxava logo sua pistola?, e por outro, por quê tanto a Biblioteca Nacional  como a Biblioteca Demonstrativa de Brasília estão fechadas há anos?...
Enfim, fica cada dia mais evidente que Freud se equivocou ao afirmar que: "dos homens cultos e dos trabalhadores intelectuais, a civilização não tem muito que temer".  Tem sim, e talvez até mais do que dos pouco e miseravelmente ilustrados...

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Summertime...

Midia gay - Ou: Se um extra-terrestre pousasse na terra hoje e lesse o principal jornal aqui do DF teria a convicção de que havia pousado num planeta gay... E la nave vá...


1. A manchete de um soldado britânico que interrompe um desfile para pedir um outro macho em casamento; 2. a passeata na Esplanada dos ministérios com os participantes esbanjando alegrias e 3. o Papa, o velho papa porteño (com um certo cinismo, é verdade) pedindo desculpas aos homossexuais. (Por pouco não amaldiçoou e excomungou aos heterosexuais!). Aliás, ainda existem heterosexuais? Como diria um personagem de Eça de Queiróz ao lado da tumba de sua irmã: "Não tenhas pena, cá fora nem estrelas há!"





LUIZA...


Para ouvir a música clicar no canto esquerdo da faixa

domingo, 26 de junho de 2016

150 ratos - O alquimista Paulo Coelho aconselha Eduardo Cunha a delatar...





Ou, como lembraria Eça de Queirós em Prosas Barbaras, p. 40: "o mar tem, às vezes, serenidades só semelhantes ao calmo olhar de um idiota..."

sábado, 25 de junho de 2016

Deus salve a rainha... Notícias do Reino Des Unido...








Hoje até os mendigos estão comentando a saída do Reino Unido da Comunidade européia e, de certo modo, apreensivos e receosos com as consequências que podem advir disso. O mendigo K., ao redor das lixeiras de um mercado, advertia três ou quatro de seus comparsas nesta manhã de sábado: Eu quero que a Europa inteira se f.... Como nunca viajei para lá e nem pretendo, como não mendigo em libras, para mim tanto faz. Aliás, soube ontem que o Brasil exporta para essa tal Inglaterra ouro, café e minério de ferro. E que importa, sabem o quê? Automóveis e inseticida! Que tal? Somos ou não somos uns pobres burros e uns negociantes tapados, submissos e miseráveis? Seus colegas apenas o escutavam de cabeça baixa, sem manifestação alguma. 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Arbeit Macht Frei - Trabalho e saúde mental...


Vejam o que os nazis escreviam na entrada dos campos de concentração (Arbeit Macht Frei. + ou - = a: O trabalho os libertará) e em seguida assistam o video abaixo, com os bancários chineses apanhando por não terem cumprido as metas do banco.






quarta-feira, 22 de junho de 2016

Iracema...

1434...

Seja qual for a tua idade e profissão, se você ainda não leu este livro, é provável que siga com uma visão tosca e equivocada do mundo. E mais: que continue achando que tem moral suficiente para ironizar o chinesinho que todas as noites passa de mesa em mesa nos botecos da cidade querendo vender-te as mais exóticas, inúteis e variadas porcarias...


terça-feira, 21 de junho de 2016

Um elogio e uma rapsódia ao Peru...

Enquanto o Peru, (um paizinho de 30 milhões de habitantes, com um PIB infinitamente menor do que o de qualquer um de nossos estados e que é permanentemente empurrado para o Pacifico tanto pela floresta amazônica como pela cordilheiras dos Andes) está prestes a inaugurar uma estrada de ferro estupenda, com trens de luxo que 'levitarão' pelo alto das montanhas nevadas daquele país.., nós, desorientados na nossa miséria lusitana, não temos nem estradas e perdemos nosso tempo nos masturbando com os intermináveis relatos de bandidagem e de corrupção, sem mencionar que nosso Supremo hoje, passou o dia inteiro, decidindo se vai processar o Bolsonaro ou não, por ele ter declarado que não estupraria uma colega de parlamento. E mais: sem mencionar que ali na esquina, na Câmara distrital, desde manhã, quase uma centena de deputados, policiais, advogados, padres e etc., consultam o oráculo para saber se legalizam o UBER ou se deixam prevalecer os conceitos tribais dos taxistas. Não precisa ser um neurologista para entender que alguma coisa de muito grave aconteceu no sistema nervoso dessa gente. Em outras palavras: seria interessante suportar esse circo por mais uns 100 anos, só para tentar entender qual foi, afinal, a maldição que se abateu sobre suas lonas...


http://essemundoenosso.com.br/2016/06/03/peru-trem-de-luxo-andes/

Um papo de Sam Harris...

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Alienação e neuroses pessoais confundidas com luta de classes...

"Los nazis hablan engañosamente, pero hablan a los hombres; los comunistas dicen la pura verdad, pero solo hablan de cosas..." E. Bloch, in Neurosis y lucha de clases, de Michel Schneider, p. 69.
____________________________

A incursão pela Universidade de Brasília na semana passada de grupos agressivos que a mídia, os professores e quem estava por lá classifica de fascistas está dando o que falar. Para o mendigo K, que encontrei hoje em frente à biblioteca central e que naquele momento dormia numa das salas de filosofia, tratava-se, na verdade, de um grupo integralista, o que - segundo ele - num país aos pedaços e mergulhado na ignorância é tudo a mesma coisa. 
Como percebeu que eu não entendia muito bem o que aquilo queria dizer, deu-me uma aula política sobre a década de 30/40 no Brasil, explicou-me o que o signo SIGMA representava na bandeira daquela gente e, antes de despedir-se, passou-me uma cópia da simpática carta a respeito do livro 13 anos em Brasília e a construção da nova capital Brasileira, carta que J. Kubitschek teria escrito a Plínio Salgado, o líder máximo da tropa de choque dos camisas verdes.

domingo, 19 de junho de 2016

Darwin e a canalhice das espécies...


Para ouvir a música, clicar na ponta esquerda da faixa



[Se siete compassionevoli  con i crudeli terminerete essendo crudeli con i compassionevoli]
Talmud
Nada é mais frustrante do que pensar que se está fazendo "o bem" quando, na verdade, se está engendrando "a maior das desgraças". Nesta manhã de domingo, no momento em que a plebe aqui do DF estava voltando da missa e se preparava para fazer um churrasco, beber umas duas caixas de cerveja, dar uma trepada lá pelas 15:00 horas e depois seguir para o estádio torcer pelo  flamengo, uma pomba semi-selvagem entrou desesperada em minha varanda. Com muito cuidado e 'benevolência' achando que ela simplesmente havia confundido sua rota, ajudei-a a encontrar a janela de saída, mas bastou que ela desse sete ou oito batidas de asas 'em liberdade' para ser capturada pelo matreiro e astuto carcará que a estava perseguindo. Aquela ave de rapina com seu solidéu preto sobre a cabeça que lembrava até um rabino, ave à qual sempre dediquei o maior respeito, deu um rodopio e uma rasante especial como se estivesse me agradecendo, voou para a cobertura de um prédio vizinho com a infeliz entre as unhas e, indiferente à minha 'ética' e indignação, a devorou sem a menor cerimônia...  Voltei a ler Darwin e a tentar entender esta enigmática frase de Vargas Vila: "Há um remordimento que o criminoso não conhece e que é, sem dúvida, o mais cruel de todos os remordimentos: o de haver feito o bem, quando esse bem nos foi fatal..."

sábado, 18 de junho de 2016

Ave César! O papa e os soluços do tigre...

"Embora haja cerca de 350 mil espécies conhecidas de besouros, parece que Deus tem uma predileção ainda maior pelos vírus..." Sam Harris

Alguns pseudo cristãos que conheço aqui no DF estão meio chateados e  abespinhados com os acrobatas, palhaços e domadores de circo que esta semana foram fazer uma visita/apresentação no Vaticano e que inclusive levaram um tigre na coleira para o deleite do papa. Teria sido uma sutil malandragem desses homens circenses para lembrar ao papa tanto do imperador Titus Flavius como dos tigres e dos horrrores do Colosseum?
- Estão pensando que aquilo é um picadeiro!!!? 
E esse argentino (o papa), está achando que o Vaticano é uma Calle Florida ou um circo!!!? Resmungaram visivelmente incomodados. 
Mas depois, ao saberem que ao ver o papa o tigre deu três ou quatro soluços, (como vivem permanentemente em busca de "milagres" e de fenômenos paranormais) arrepiaram os cabelos e até as sobrancelhas e se resignaram. Ave César! Os que vão morrer te saúdam! Eram os gladPara os pensadores, ateus e anticlericais, (espécie quase extinta) o olhar do felino na foto, com a língua levemente para fora, além de  lembrar o grito miserável dos gladiadores Ave César!, também pode dizer sobre essa seita até bem mais do que os livros de Sam Harris e os de Richard Dawkins juntos...


sexta-feira, 17 de junho de 2016

Enquanto isso... numa penitenciária do Ceará...

Argentina e Brasil rivalizam e disputam também em corrupção...



Para ler o texto ouvindo a música clique no canto esquerdo da faixa





"A misantropia pode tomar aspecto de caridade; deixar a vida aos outros, para um misantropo, é realmente aborrecê-los. (Machado de Assis em: A igreja do diabo, p. 369)
Imaginem a performance: um executivo (Ex secretário de obras da Argentina) com um fuzil às costas fazendo uma cova no interior do mosteiro de uma pequena cidade, para nela enterrar clandestinamente uma mochila com 8 milhões de dólares. Atenção: 8 milhões de dólares não é igual a 8 milhões de pesos argentinos! Não há cineasta que não babe diante de tão sugestivos signos e imagens... E o fato causou mais curiosidade do que indignação àquele povo tão acostumado às  leituras lacanianas intercaladas com as de Melanie Klein... 
Seria um convento beneditino? Um refugio de eremitas? Um refúgio budista? Um bunker anônimo? Um Ashram zen de monjas virginais? De eunucos? Algo em homenagem a Santo Atanásio, ou ao Papa Francisco? Uma filial do Hospício Borda, de Buenos aires? E a estética coreografica e mórbida de um coveiro?! Se o fato aconteceu depois da meia noite... então... Coisa realmente de Secretário de Obras. Mas porque num mosteiro? Por que não fazem como os lusitanos daqui e levam logo tudo para os bancos do Panamá ou da  Suíça? 
E a escolha daquele local teria a cumplicidade da comunidade monástica? Quanto os padres levariam nessa? Parte iria para as tais ações misericordiosas? Para o gerente do mosteiro central? Mas logo num lugar que normalmente é repleto de celas e que tem uma escandalosa semelhança arquitetônica com os presídios! Como tudo isso deve ter sido angustiante e persecutório para aquele homem... Até quando aquele dinheiro ficaria lá? E quem o resgataria? Além do executivo, quem mais teria o mapa da mina? E se nesse tempo a dolarização do mundo descambasse para eurização e todas aquelas notas enterradas virassem lixo? 
Como normalmente esses mosteiros têm uma igreja nos fundos, com santas missas semanais, será que o ex secretário compareceria lá, de vez em quando, de braços dados com a "esposa" e cercado pelos filhos para, além de checar o local, mortificar-se um pouco, ouvir as palavras de deus, cheirar um pouco de incenso e deglutir uma hóstia?
Enfim, em corrupção, erudição e empanadas, como em cinema e leituras de Lacan, eles nos dão de dez a zero!
____________________________________________
Nota: a música é de Piazzolla e a ilustração de Van Gog.




quarta-feira, 15 de junho de 2016

A disparidade entre as propinas...

"Como o caçador de Pascal: mais a caça que a presa"N.B.

Quem viu a nova lista de propinas apresentadas hoje pelo delator de turno, ficou impressionado com a disparidade entre os valores. Enquanto uns receberam vinte e tantos milhões e outros dez ou quinze, alguns dos beneficiados tiveram que se contentar com apenas 700 ou até 200 mil. Ora! Como manter intacta a auto-estima e como garantir a sobrevivência do amor-próprio em situações como estas? Quais são afinal, os parâmetros e os critérios desses camaradas? Onde está a ética? A Teoria do Valor tão defendida por Marx? A honra e a isonomia? 
Na última vez que encontrei o mendigo K. ele me alertou para algo antropologicamente importante: a família dos corruptos. Como deve se comportar a família desses senhores quando eles chegam em casa, lá pelas três da tarde ou de madrugada com as maletas repletas de Euros, dólares, lingotes de ouro, ou coisas do gênero? 
Atrás de cada um desses senhores, lembrava-me ele, existe sempre uma bela, jovem e exigente mulher, que controla as "porcentagens", que cobra alto por seus serviços genitais e que gosta de coisas sofisticadas tipo jantares no Alain Ducasse de Paris ou no Aragawa de Tóquio, por exemplo. Mulheres deslumbradas que adoram  pernoitar nos pubs da Inglaterra e que só se hospedam em hotéis tipo o Fouquet's. As mais realistas e simplórias até deixam por menos mas também não abrem mão dos cabarets de Hong Kong, uma ou duas vezes por ano. Sim, são mulheres que cobram caro para apresentar-se aqui e ali com seus decotes felinianos, seus olhares provocantes, suas depilações subterrâneas e suas cruzadas de pernas. Mulheres que cobram alto para desfilarem como damas inocentes no meio de um covil de hienas vorazes e, para o mais difícil: fazer o teatro da fidelidade, da paixão ardente e da gerontofilia, mesmo nos momentos de maior caos e estresse... 

Os picaretas e a Torre de Babel...

Surrealismo: A prévia cassação do Eduardo Cunha ocorrida ontem lá no Congresso Nacional vem, curiosamente, causando uma espécie de alegria, de ilusão e até de esperança não apenas em seus inimigos e desafetos, mas até mesmo na população em geral. 
Haveria ingenuidade, malandragem, mau caráter ou ignorância maior do que essa? Sim, há pessoas até razoavelmente instruídas que parecem acreditar que agora tudo melhorará, não apenas na economia, mas também nas relações sociais, morais, burocráticas e etc, e que enfim voltaremos todos a falar o mesmo idioma...  e que seremos razoáveis e felizes! Que babaquice e que simplicidade de ratos!  
O país, - confirmamos todos os dias - de ponta a ponta, de classe a classe, de gênero a gênero, de categoria a categoria, de profissão a profissão, da empresa privada às instituições públicas está apodrecido até suas raízes. Tomado por uma podridão generalizada que facilita e eterniza a continuidade do surrealismo mais vil, o país - como numa das tantas anedotas bíblicas  - segue regido e administrado por uma cambada de analfabetos e de ilustres picaretas escondidos numa espécie de Torre de Babel, sem falar coisa-com-coisa e dissimulados no meio de uma coletividade transtornada e de um rebanho preocupado apenas com o estômago.
Mas até mesmo os intelectuais? Me questionam indignados. Ao que lhes respondo com umas três ou quatro linhas de R. Faoro, no prefácio do Diário de um 
século, de Norberto Bobbio: Sim, "Por detrás da figura do intelectual-guia surge sempre a figura do tentador, do corruptor, do falso profeta, do demagogo; por detrás da figura do intelectual defensor dos valores eternos surge sempre a contrafigura do inepto, do pávido, do decadente, senão mesmo do parasita..." Numa só palavra: do picareta!
________________________________
Em tempo: Ontem, aqui nos arredores de Brasília, três pré-adolescentes tocaram fogo na escola onde estudam. É evidente que essa "ação direta" pode nos dizer sobre o processo educativo vigente bem mais do que os discursos do Ministro da Educação, da obra de Piaget e dos breviários de summerhill juntas. Para os próximos dias, só nos resta ouvir as clássicas desculpas e mentiras dos pedagogos.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

ZOO - E se eles também resolvessem fazer delação premiada?

"Se ele se levanta eu o abaixo; se ele se abaixa eu o levanto e o contradigo permanentemente até que ele passe a acreditar que é um monstro incompreensível... (Pascal)







domingo, 12 de junho de 2016

E os frangos?, e os coelhos?, e as lagostas?, e as carpas?, e os patos?, e as vacas?,e os escargots?, e os gafanhotos?, e as tartarugas?, e os leitões???

Que a sobrevivência de uma espécie implique na comilança e na exploração de outras espécies é uma idiotice e uma burrice que deveria envergonhar até o mais charlatão e picareta dos "criadores".



http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/ativistas-reunem-11-milhoes-de-assinaturas-contra-festival-de-carne-canina-na-china

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Eis aí a tal servidão voluntária... Ou: os efeitos do chicote sobre os gens da Senzala... (Segundo o post anterior, brocha e escravo, mas feliz!)

http://www.culturabrasil.org/zip/boetie.pdf

"Na classe trabalhadora sabemos que a dignidade é a identidade e, uma vez prejudicado esse sentimento de respeito por si mesmo, a atividade se debilita, favorecendo a perturbação mental". (Alfredo Moffat, p. 27, em Psicoterapia do oprimido)


quinta-feira, 9 de junho de 2016

A culpa é do Sergio Moro e do viagra falsificado... (E isto, sem considerar que sobre sexo e dinheiro, ninguém diz a verdade...)



[Acender a chama, até que é fácil, o problema é protegê-la do vento...] Pensamento cigano



Os homens do Distrito Federal são os que mais têm dificuldade de ter e manter uma ereção, segundo uma pesquisa conduzida no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). De acordo com o estudo, 39,9% dos brasilienses relataram ter sofrido com o problema nos últimos seis meses. A média nacional foi de 32,4%. O estado com menor incidência foi a Bahia, com 23,9%.

Na pesquisa, foram ouvidos 3 mil pessoas, de sete capitais brasileiras: Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre e Belém. Os entrevistados tinham entre 18 e 70 anos, e foram divididos em cinco faixas etárias. 

A pesquisa mostrou ainda que, no sexo, os homens do DF estão mais preocupados em satisfazer seus parceiros do que com o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). O índice de entrevistados que indicaram a satisfação do companheiro como maior preocupação chegou a 52%.

Por fim, os brasilienses têm um expectativa de frequência sexual maior que a média do país. Para os homens do DF, seis relações sexuais por semana são o ideal, enquanto a média nacional ficou em cinco ocasiões.


“Muito importante”

Quase 100% das pessoas considera o sexo muito importante para a harmonia do casal. Em média, esse número foi de 95,3%. No caso dos homens, o índice foi um pouco maior, chegando a 96,2%. Parte menor das mulheres delegou essa importância à atividade sexual: 94,5%.


Coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex) do Hospital das Clínicas da USP e responsável pelo estudo, a psiquiatra Carmita Abdo, avalia que o sexo deve, sim, ser visto como “parte da qualidade de vida”. “Segundo a OMS, os quatro pilares da qualidade de vida são trabalhar no que gosta, ter uma convivência familiar harmoniosa, ter a capacidade de ter lazer sem restrições físicas ou psíquicas e ter sexo satisfatório", afirmou. (Correio Braziliense, 09-06-2016)
____________________________________________________________


http://oglobo.globo.com/sociedade/sexo/brasileiras-preferem-sono-de-qualidade-satisfacao-sexual-diz-pesquisa-19472199


EM SINTESE: Eles brocham e elas dormem. Elas dormem e eles brocham... E la nave vá...

LACENAIRE - Memórias de um bandido...


http://www.leboucher.com/pdf/lacenaire/lacenaire.pdf

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Cerveró: Memórias no cárcere. Ou: como não compadecer-se de um homem desses?...


"O confinamento solitário, em um presídio, é capaz de alterar a composição ontológica de uma pedra..."(Jack Henry Abbott - No ventre da besta, com introdução de Norman Mailer, p.63)