"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 30 de abril de 2013

Viva o papa portenho e viva a rainha argentina...


Se os argentinos já tinham fama de arrogantes e narcisistas (apenas com Evita, Borges e com Maradona) agora, com um papa e com a rainha da Holanda, (os dois chamuscados pelo videlismo) ficarão intragáveis. Conheci a Argentina ainda adolescente, lá por 68, época em que todo mundo dizia que Buenos Aires era ou já havia sido a Paris da América do Sul. Não lembro de grande coisa, mas realmente, com seus cafés e livrarias era uma cidade fascinante. O mito da leitura! Diziam que todo mundo lia nos metrôs e nos ônibus, e que todo mundo tinha informações e notícias sobre a psicanálise. Era também o auge das ditaduras latino americanas. O apartamento em que fiquei, no bairro de Palermo, tinha uma escada secreta que descia por uma janela e que dava lá no meio de um jardim meio abandonado onde acho que havia uma estatueta de Carlos Gardel. Um ou dois anos depois, com outros três ou quatro andarilhos, entrei novamente no território argentino vindo do Peru e, por equívoco, fomos presos em San Salvador de Jujuy. A prisão parecia um imenso colégio, com pátios imensos e um subsolo onde havia tanques com água, balanças, câmeras fotográficas tipo lambe-lambe, gente que se movia por todos os lados, interrogatórios idiotas, policiais cínicos e obesos... Em outra época, com dois argentinos e um uruguaio vim repatriado da Itália para o Rio de Janeiro no Navio Giulio Césare. Apesar de Buenos Aires ser Buenos Aires, lembro que os argentinos diziam preferir viver presos na Europa que soltos na Calle Florida... Dez ou doze dias de convés olhando aquela imensidão de águas que ninguém até hoje sabe de onde vieram e o que fazem ali naquele balanço interminável. Na UNAM (Ciudad de México) a grande maioria de professores/psi era de psicanalistas judeus argentinos, do grupo de Marie Langer que a ditadura argentina havia expulsado. Todo mundo sabia que lá, centenas de pessoas estavam sendo torturadas e lançadas ao mar... Os mexicanos não escondiam seus sentimentos ambíguos pelos portenhos. A guerra das Malvinas! A trupe argentina que se reunia num apartamento velho nos arredores de Coyoacan para torcer em vão por seus soldados... Freud e Lacan decorados de ponta a ponta! Uma moça recém chegada de Buenos Aires, para lutar contra a depressão sempre que me encontrava recitava ironicamente esta pequena frase de Kafka: "saudei a manhã com um leve latido como se fosse eu a provocar seu aparecimento..."
Em Barcelona, hospedei por dois dias em minha casa um suposto médico argentino que roubou o passaporte de um de meus filhos e desapareceu. Em outra ida à Buenos Aires, fui assaltado a caminho de San Telmo... Coincidências, lembranças parciais e bobagens! Lá alguém escreveu um livro com o seguinte título: No somos tan buena gente!, e aqui na UnB, um filósofo que veio da província de Rosário publicou um texto radical: Porque te amo, não nascerás... 
A lenda da custosa amante argentina! O tango, Piazzolla, Peron... Che Guevara. Julio Cortazar... Os vinhos, as cuias, o contra filé, Madona cantando Don't cry for me Argentina e o Cemitério de la Chacarita... Viva o papa e viva a rainha!!! 

Na página 325 , do volume II das Obras Completas, Borges (que está enterrado em Genebra) escreveu: 

[ Y la ciudad, ahora, es como un plano 
De mis humillaciones y fracasos;
Desde esa puerta he visto los ocasos
Y ante ese mármol he aguardado en vano.
Aqui el incierto ayer y el hoy distinto
Me han deparado los comunes casos
De toda suerte humana; aquí mis pasos
Urden su incalculable laberinto.
Aqui la tarde cenicienta espera
El fruto que le debe la mañana;
Aquí mi sombra en la no menos vana
Sombra final se perderá, ligera.
No nos une el amor sino el espanto;
Será por eso que la quiero tanto].


sábado, 27 de abril de 2013

Ao invés de tornarem-se verdadeiramente livres, as mulheres preferem compartilhar das neuroses masculinas...



El judaísmo más aperturista, el que trata de alejarse del rigorismo de los ultraortodoxos, acaba de apuntarse un tanto histórico: un juez de la Corte de Jerusalén ha dado la razón a un grupo de mujeres que, durante los últimos 25 años, ha peleado por rezar ante el Muro de las Lamentaciones usando signos de la liturgia que los haredíes entienden como exclusivos de los hombres, como los tallitot o mantos de oración; las kipás, el clásico gorro judío; y los tefillin, unas cajas de cuero con textos de la Torá que se atan a la cabeza y el brazo. Más allá del hecho puntual de que la Justicia entienda que pueden usar estos símbolos sin ser por ello unas “provocadoras” está el hecho de que la sentencia, conocida el jueves, resquebraja el monopolio de los ortodoxos, que aplican sus normas en el lugar más santo para los judíos y supone una victoria de aquellos que entienden la religión como un punto de encuentro para la fe, y no una lista de obligaciones y límites. Esto es, la mayoría de la población de Israel.
El juez Moshe Sobel ha dictado que el hecho de que las Mujeres del Muro, la asociación que cobija a estas defensoras de la libertad de culto, acudan cada inicio del mes judío al Muro de las Lamentaciones con estos hábitos supuestamente masculinos “no es una violación de la costumbre local”, que es lo que el Reglamento de Protección de los Santos Lugares recomienda que se preserve. “La naturaleza de las costumbres cambia con los tiempos”, sostiene el magistrado, por lo que no se puede entender que sea forzosamente la lectura ortodoxa la que deba aplicarse en la explanada. Las mujeres, según los haredíes, no pueden siquiera cantar sus oraciones, porque su voz es extremadamente tentadora.
En estos años, sucesivas sentencias y reglamentos del Ministerio de Justicia (en 2003 y 2005) avalaron la postura de los ortodoxos. En ellos se apoyaba la Policía para detener a las mujeres, entre cinco y ocho en cada uno de sus rezos mensuales. Así, desde hace casi tres décadas. El juez dice ahora que “ninguna ley prohíbe a las mujeres rezar en ningún sitio concreto” del Kotel –muro occidental, en hebreo-, por lo que incluso podría abrirse la puerta a un rezo mixto, cuando ahora la pared está dividida entre la zona de hombres y la de mujeres, como si fuera una sinagoga ortodoxa a cielo abierto.
“El Muro ha sido liberado para todo el pueblo judío. Al fin todas podremos expresar nuestra espiritualidad en el modo en que deseemos”, sostiene Anat Hoffman, la presidenta de Mujeres del Muro. “Esta es una fiesta de liberación”, añade. Muchas mujeres, recuerda, han acudido a sus rezos sin kipá o manto, “porque esa es una pelea parcial”. “Lo importante de esta sentencia es que por primera vez indica que todos tenemos el mismo derecho a estar cerca del lugar santo entre los santos [donde se supone que se custodió el Arca de la Alianza] en el modo en que más nos apetezca”, añade.
De hecho, la sentencia no entra a valorar si tienen o no derecho a otra de sus grandes batallas, la lectura ante el muro de los rollos de la Torá, intocables para la mujer según los haredíes. “Vamos paso a paso. Son símbolos para nosotros, pero lo que trasciende es el halo de libertad y de respeto que hemos conquistado gracias al juez”, añade Bonie Riva Ras, vocal de la asociación y una de las mujeres detenidas a principios de mes sólo por llevar su tallit. Fue condenada a estar tres meses lejos del Muro de las Lamentaciones. Ahora su pena queda borrada. La Policía de Israel, que ejecutaba los arrestos, “respeta” la decisión judicial y por ahora no va a recurrirla.
“Lo incomprensible es que Israel, que es el Estado judío, no tenga la libertad de expresión suficiente, que este monopolio esté en manos de la ortodoxia. Ellos creen que tienen el derecho a determinar cómo debe ser el judaísmo de todos”, denuncia la rabina Sandra Kochmann. “Los haredíes son sólo una parte de los 15 millones de judíos del mundo y dominan cada paso de nuestro país. Es hora de que los que no actuamos igual, que somos mayoría, tengamos un lugar”, abunda.
A este triunfo en los juzgados se suma otra esperanza, la propuesta de la Agencia Judía de Israel para construir una sección adicional de muro en la zona sur de la pared, de igual tamaño y naturaleza del que ahora se venera, donde el culto sea totalmente igualitario. Las Mujeres del Muro ya emplean este espacio, conocido como Arco de Robinson, y ofician 800 ceremonias al año sobre un tablado improvisado. Ahora tendrán un espacio abierto 24 horas, estable, y sin la presión de los haredíes. La propuesta tiene el visto bueno del primer ministro de Israel, Benjamín Netanyahu, y del 76% de la población, según una encuesta de la Universidad de Tel Aviv.
Shmuel Rabinovitz, el rabino a cargo del Muro de las Lamentaciones, reconoce que no le gusta la idea pero “podría vivir con ella”, afirma en un comunicado. Un mal menor, viene a decir. De momento, su equipo de abogados estudia ya el fallo para ver cómo deben comportarse con las combativas mujeres cuando acudan de nuevo a rezar con lo que ellos llaman “disfraces que insultan al Judaísmo”. (El País)

sexta-feira, 26 de abril de 2013

PROCURA-SE: R.G.C.G...


Se você cruzar por aí com um cara que diz chamar-se R. G. C. G., e que por coincidência esteja transportando uma bolsinha com uns pedaços de ayahuasca, fique de orelhas em pé. Pode ser o famoso e procurado líder de uma seita chilena que recentemente jogou numa fogueira um bebê de três dias, com a justificativa de que ele (o bebê) seria o tão temido anticristo que todo charlatão clássico alardeia que virá... Ora, do anticristo é de se esperar coisas bem mais inteligentes do que deixar-se jogar numa fogueira, não é verdade!? Uma criança que já saia do útero com uma granada entre os dentes - por exemplo - ou que já nasça adulta e com uma AR15 engatilhada, etc...
E como dizem que o malandro em questão, depois das chaleradas alucinógenas papava todas as mulheres da seita, é quase certo que o bebê carbonizado era seu próprio filho... Uma variante chilena de Saturno? Crimes hediondos! Não precisamos de mais provas para decretar que o mundo é uma cloaca de loucos, de bandidos en(fé)zados... e que, por detrás de cada uma dessas máscaras shamânicas, de honorabilidade e de civilidade, habita um desertor sanguinário e um criminoso em potencial... 
Só para ilustrar: nesta semana degolaram uma moça quase na esquina de minha casa; ontem incendiaram uma dentista; antes de ontem jogaram uma criança num esgoto; atiraram um velho por uma janela; estupraram não sei quem... As páginas criminológicas estão cada dia mais densas e repletas... enquanto por aí, nos gabinetes aromatizados, reina literalmente a mais triunfal das pazes cemiteriais... E o papel da polícia e do judiciário? Continua praticamente inócuo e ridículo. Só fazem caçar os ratos que aparecem no paiol, sem importar-se com as ninhadas que nascem e crescem nos arredores e nas tocas desse imenso latifúndio... Esperanças? Como diria Kafka: ah!, já não há mais nenhum relâmpago dessas trovoadas...


quarta-feira, 24 de abril de 2013

Che fai tu, luna, in ciel? dimmi, che fai, silenziosa luna?


E o arco-íris cobriu os céus de Paris! Aprovaram lá também o casamento gay. Dizem que os muçulmanos e os mórmons, cada um com sua penca de esposas, já estão na fila para obter dos descendentes de Robespiere o aval e a legalização também para a poligamia...
Quando nos anos 60/70 começou a efervescência homossexual pelo mundo, muita gente achou que se tratava de mais um movimento paralibertário e contracultura. Uma espécie de estopim e de pretexto para se implodir e pisotear de vez a família tradicional e os pilares patológicos da TFP (Tradição, família, propriedade) que tanto a psicologia como a psiquiatria acusavam de ser uma usina de neuroses e de psicoses. Que engano! 
A única bomba que nunca foi adequadamente colocada - dizia nessa época D. Cooper - se encontra sob o mediador primário de violência contra o qual devemos exercer nossa contra violência: a família propriedade e todas as falsas imagens que seriam formas de adora-la”. 
Por ironia, eis aí os homossexuais se humilhando e rastejando aos pés da república para que ela lhes autorize a casar-se nos moldes idênticos aos da vovozinha, com buquês de flores, alianças e até com a Ave Maria de Schubert..! Não é bizarro? E o pior, é que amanhã, com certeza, baterão também às portas do Vaticano e das sacristias para obter dos padres a permissão ao casamento religioso. Depois irão aos cartórios para obter licença para adotarem crianças e mais tarde aos ginecologistas para implantar úteros ou testículos e ao Ministério Público para garantir heranças, pensões e etc., para assim recriar na íntegra o velho e patético casal do passado e a louca, reacionária e falida família nuclear que sob o pretexto do amor, veio durante séculos gerando infelicidades e colecionando misérias... Que fiasco! Que marasmo! Que retrocesso! Que medo da liberdade é esse! Que dependência das algemas é essa!
Não adianta! A espécie não consegue sair do atoleiro em que se encontra. Dá voltas, dá cambalhotas, faz escândalos, se desfigura, turva as aguas, faz uma fumaceira danada e acaba sempre no mesmo lugar ou até mesmo num lugar pior. Que maldição e que miséria! 
Como perguntaria Leopardi: 
[Che fai tu, luna, in ciel? dimmi, che fai, silenziosa luna?]

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Troteando... troteando...

Cada vez que acontece um trote universitário por aí, ouve-se a mesma reclamação de que estamos de volta à barbárie ou de que nossos universitários são o supra sumo da estupidez humana. Puro moralismo e desconhecimento histórico. As imbecilidades praticadas nesses supostos rituais de passagem são tão antigas quanto a espécie e até já foram piores. As primeiras universidades do mundo (Bolonha, Córdoba, Paris, etc.,) já o praticavam e as de Portugal, aquelas que tinham até masmorras em seus porões, também. Bastou virem uns idiotas daqueles para as colônias para institucionalizá-los por aqui. Sabemos que já fizeram os calouros beberem urina, lamberem lixo, rastejarem no asfalto incandescente... Que já deram coices no crânio de muitos, que vários morreram afogados, que outros entraram em coma alcoólica, que uns tiveram que fazer strip-tease, outros ficarem em posição fetal sobre excrementos etc., etc.,. Na semana passada, os "veteranos" de uma universidade de Minas obrigaram seus "calouros" a simularem sexo oral... E tudo para "comemorar" o ingresso na universidade, como se isso fosse a última maravilha do mundo. Sinceramente, às vezes fico embasbacado com a longevidade das universidades. Me parece mais do que evidente que é chegado o momento de dar um tempo, um basta! Ufa! Chega de academia! Chega de aulas! Chega de reuniões! Chega desse lero-lero onanista sobre postulados, regras de três, teoremas... Que a formação volte a ser nos locais de produção. 98% prática, 2% blábláblá... Ou pelo menos que o tal vestibular passe a ser visto como realmente é, uma perversa excrescência do ensino. 
E quanto a essa brincadeira de trouxas, que apareça alguém com culhões e com autoridade para pisoteá-la até as raízes... Aliás, também é incompreensível essa dificuldade nacional de diferenciar autoridade de autoritarismo. Daí essa tendência à delicatessem e à frouxidão que é nossa marca registrada...
Do contrário, pelo movimento ziguezagueante da tropa e da carruagem, em breve não faltarão "trotes" onde os calouros serão sodomizados, terão que sodomizar-se entre eles ou, até obrigados a sodomizarem os veteranos... (Ilustração: El Roto)