"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Os marqueteiros e a cama de Procusto...

Se o que um candidato diz do outro é mentira, então ele deveria ser imediatamente interditado. Se o que ele diz é verdade, o outro deveria ser imediatamente preso. Mas não há interdição e nem prisão alguma. Tudo é apenas um show milionário engendrado por três ou quatro marqueteiros anônimos e infames. Bandido daqui, bandido dali! Ladrão daqui, ladrão dali! Estelionatário daqui, prevaricador dali. Oportunista daqui, vivaldino dali. Vendilhão da pátria aqui, vendilhão da pátria ali! E o pior é que no fundo nem se sabe se há realmente uma pátria...

Nossas estatísticas, nossos relatórios, nossas prestações de contas, nossos balancetes, nossa dialética, nossas histórias, nossas justificativas, nossa lógica, nossas ameaças, nossos métodos para ajustar as coisas lembram, e muito, o método do salteador Procusto.

PARIS CONTINUA VALENDO UMA MISSA 5

sábado, 23 de outubro de 2010

PARIS CONTINUA VALENDO UMA MISSA 3

Mais de um milhão e meio de “militantes” marchando para a Bastille e cada um com a sua coleira, com sua bandeira e com a sua fé. Ter que trabalhar dois anos a mais como quer o Estado é realmente  uma desgraça, mas se comparados aos trinta e tantos já cumpridos não significam nada... A manhã está nublada, com chuva ou com sol Paris é sempre uma festa! A velharada do PCF parece mais ativa e entusiasmada do que nunca! As meninas e os meninos do liceu gritam antigos slogans e gostariam de reeditar o Maio de 68, mas como ressuscitar a Sartre? Aos socialistas só lhes faltam as batinas; os estrangeiros levam visível na cara o horror à possibilidade de terem que voltar para suas tribos; os Verdes anseiam por uma floresta que já virou cinza; os gays, lésbicas e derivados gostariam que o Sarkozy universalizasse a farra da pré-genitalidade; os corações dos anarquistas ainda palpitam em memória a Ravachol e só se contentam com a idéia de um incêndio generalizado; os comerciantes baixam as portas para preservar suas quinquilharias e a policia está lá, em cada esquina, pronta para “cumprir ordens”, descer o cacete e para defender algo que nem sabe o que é.  Enquanto isso, a velha monarquia do passado, os milionários, os donos dos bancos e do planeta não estão nem aí, fumam seus charutos confortavelmente em suas mansões ou em suas ilhas paradisíacas indiferentes a todas as manifestações da plebe. Acham até graça do desespero da "gentalha" por trabalho, por "qualidade de vida" e por migalhas. Tanto de um lado como de outro o que existe é a consciência de que por  detrás de todos os “movimentos sociais”, de todas as guerras, as ganâncias e as neuroses pessoais  está a frustração por saber que a vida é uma experiência inútil.

O trem que me leva ao aeroporto vai mais devagar por causa das greves. É evidente que ao invés de apenas quinze dias deveríamos passar a vida inteira em férias!


Aquisições:

- Petite philosophie du marcheur (Christophe Lamoure)
- Dieu n'est pas grand (Christopher Hitchens)
- Le goût de la marche (Textes choisis par Jacques Barozzi)
- Petit éloge de l'ironie (Vicent Delecroix)
- Politique du rebelle (Michel Onfray)
- Les nains et les elfes (Claude Lecouteux)
- Le mariage d'amour a-t-il échoué? (Pascal Bruckner)
- Le guide du routard (Praga)
- Le guide du routard (Roumanie et Bulgarie)
- Um violino tcheco
- Alfons Mucha - Maître de l'Art nouveau (Renate Ulmer)
- Um CD do Duo Yaoryna (Ukraine)
- Duas batatas de tulipas
- 1880 fotos.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

PARIS CONTINUA VALENDO UMA MISSA 2


La rue assourdissante autour de moi hurlait.
Longue, mince, en grand deuil, douleur majestueuse,
Une femme passa, d’une main fastueuse
Soulevant, balançant le feston et l’ourlet;
Agile et noble, avec sa jambe de statue.
Moi, je buvais, crispé comme un extravagant,
Dans son oeil, ciel livide où germe l’ouragan,
La douceur qui fascine et le plaisir qui tue.
Un éclair... puis la nuit! - Fugitive beauté
Dont le regard m’a fait soudainement renaitre,
Ne te verrai-je plus que dans l’éternité?
Ailleurs; bien loin d’ici! Trop tard!Jamais peut-être!
Car j’ignore où tu fuis, tu ne sais où je vais,
O toi que j’eusse aimée, ô toi qui le savais! 

(Uma passeante, de Charles Baudelaire)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

PARIS CONTINUA VALENDO UMA MISSA 1

Olhando esse povo de perto nem dá para acreditar que ele tenha conseguido construír uma urbe e uma cidade como esta. Apesar da paranóia com o terrorismo Paris é o que existe de mais fascinante na terra, principalmente agora que os “bárbaros” invadiram praticamente tudo. Africanos, asiáticos, sul americanos, latinos em geral, ciganos, árabes, turcos, negros, japoneses, esquimós e o diabo a quatro tomaram Paris e para sempre. Não só mudaram a cor da cidade, mas também obrigaram os franceses a serem menos estupidos e a dançar a vida com mais leveza. A cada passo que se dá por aqui se tem a convicção de que, comparativamente,  o Brasil  é, em todos os sentidos, uma vila mergulhada no desamparo, na ignorância e no atraso. São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e outras cidades que os ufanistas não se cansam de incensar, todas juntas, somadas, uma enfiada no rabo da outra e com seus escritores, intelectuais, empresários, políticos, charlatães, misticos, livrarias, bibliotecas, etc não chegam aos pés de um único arrondissement parisiense. Ah, pelo menos mil anos nos separam! Desde o mecanismo de descarga das privadas até às prateleiras de belas artes ou de arqueologia. E o pior, é que precisariamos viver uns quatrocentos anos para ter o sentimento de que se conseguiu vê-la por inteiro...

sábado, 16 de outubro de 2010

Outono de Praga - 2

 Sinais da dinastia dos Habsbourgs por todos os lados. Dizem que Praga já foi até o centro espiritual e político da velha Europa. Se é verdade não sei, mas catedrais é que não faltam por aqui, quase todas edificadas pelo príncipe Venceslau que, aliás, foi assassinado em 929 por seu irmão Boleslau. O Parricídio e o fratricídio foram sempre marcas das monarquias católicas e fajutas do mundo. Quem não quiser fazer os tours tradicionais por aqui, pode ir aos subterrâneos da cidade, ver os objetos medievais de tortura, ao museu do sexo, ao museu do comunismo etc. Esquisitices e bizarrices não faltam pelo mundo. E por falar em bizarrices, uma companhia tcheca de aviação faz três vôos curiosos: Praga/Fortaleza (Brasil); Praga/Varadero (Cuba) e Praga/Puket (Tailândia). Será que têm alguma coisa a ver com pedofilia? Ouço o guia histérico dizendo a um grupo de espanhóis que foi em 1896 que o gueto judeu de Praga foi aniquilado, que a tumba de Kafka está em outro cemitério e que foi em 1969 que Jan Palaok imolou-se em praça pública em protesto contra a invasão soviética. Como identificar o que é história e o que é estória. A neblina que sobe do rio VItava vai rodopiando na direção dos antigos edifícios stalinistas. Reinicio minha caminhada sentindo aquilo que dizia Raymond Devos: Mon pied droit est jaloux de mon pied gauche. Quand l’un avance, l’autre veur le dépasser. Et moi, comme un imbecile, je marche.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Outono de Praga - 1

Se não fossem os turistas Praga seria uma maravilha! Depois de pisoteados por Hitler e humilhados pelos soviéticos os tchecos parecem fascinados e felizes com os encantos da malandragem capitalista. Manadas de todas as raças e cores se acotovelam na ponte Charles, em frente ao relógio astronômico que marca além das horas o clima, o mês, o dia etc. Depois vão sedentos ao castelo e mais tarde comer um salsichão de meio metro lá na esquina da Nove Mesto e que custa 50 Coronas. Para fotografar o cemitério judeu 350,00 coronas. Kafka pra cá e Kafka pra lá, sem falar do Mucha e do Dvrak. Dizem que Dvorak – antes de ser compositor – foi aprendiz de açougueiro. Trocar moeda nas casas de câmbio sem ser roubado é quase um milagre. Aqui e ali tudo a mesma coisa, mas o que fazer se esse é o perfil da canalha capitalista? Você fala alemão? Você fala tcheco? Não! Então melhor ir para Cochabamba... As manadas comprando porcarias, bonequinhos, roupinhas, copinhos da bohemia, caixinhas de fósforos. A globalização, além de  tudo, acabou com o charme de ir ao fim do mundo e trazer de lá uma pedra ou um instrumento único e exótico. Agora, com a turba se arrastando pelo planeta a fora, tudo está condenado à mediocridade. Salsichas, vinhos, absinto, goulash e a neblina cobrindo tudo lá pelas seis da manhã, deixando vazar apenas uma réstia de luz para uma foto quase perfeita. Quando você vier para cá, lembre-se de meu conselho: o que há de melhor em Praga é um doce conhecido por "trolo", lá na rua Karlova 146.

domingo, 3 de outubro de 2010

E aí, já exerceu sua OBRIGAÇÃO "civica" e "cidadã"?

1- Na madrugada passada despencou uma chuvarada sobre a cidade. Além de aliviar a sensação de Saara melecou e dissolveu os milhares e milhares de pôsteres, placas, banners, faixas, adesivos e fotos que infestaram as ruas nestes últimos dias de campanha. Curiosamente, todos os candidatos estão rindo nas fotos. Não há uma única em que o dito cujo esteja sóbrio. Riem de que, afinal? Será que o populacho só vota em quem mostra descaradamente os dentes?


2- Recentemente um dos candidatos ao governo do DF reuniu-se com uns 1000 (mil) pastores da cidade e entorno. Dá para ter uma idéia do que isso significa, ou não?


3- Facções contrárias andaram se dando pauladas e pedradas aí pelos arredores do Palácio. A praxis e a consciência desses energúmenos, com relação à política e ao voto é exatamente a mesma de quando torcem por algum time de futebol ou por algum galo no pátio de uma casa de rinhas.


4- A maioria dos candidatos se vangloria de já estar no terceiro ou no quarto mandato. Essa ignomínia virou profissão.


5- Os agitadores de bandeiras nas esquinas ganham em média 15 reais por dia ou um prato de feijoada. São recrutados pelos astutos gerentes dos comitês e são praticamente todos pertencentes ao lupemproletariado. Isto é....


6- Na escola da esquina (onde fiz a foto) os que estão na fila estão visivelmente entediados, deve ser porque sabem que estão indo assinar uma procuração em branco para espertalhões e demagogos...


7- Como resolver essa questão? Perguntam-me. Bem, se ainda não é possível livrar-se definitivamente dessa pantomima e desse circo quadrienal pelo menos que os gatunos de turno sejam eleitos através de sorteio, como a Mega Sena. 

Ezio Flavio Bazzo