"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

terça-feira, 27 de abril de 2010

Michel Onfray pisoteia a Freud e aos psicanalistas...

Após a publicação de seu último livro titulado (l’affabulation freudienne), onde acusa o velho guru vienense de ser charlatão, mentiroso etc... e sua teoria de ser uma tentativa de universalizar problemas pessoais, Michel Onfray está sendo bombardeado por psicanalistas franceses e do mundo inteiro. Elisabeth Roudinesco e Julia Kristeva foram as primeiras a tentar dar-lhe umas boas chicotadas.

Para o filósofo francês,  - autor de Cinismos; O ventre dos filósofos; O desejo de ser um vulcão etc, - a psicanálise não cura coisa nenhuma, ou melhor, cura tanto quanto a radiostesia, a homeopatia, o exorcismo ou uma hora de reza diante da gruta de Lourdes. O autor ainda acusa Freud de ter sido um fracassado, de flertar com o nazifascismo, de interessar-se exageradamente pelo abuso sexual e até de dormir com a cunhada.


Independente de seus pontos de vista sobre Freud e sobre a psicanálise, os livros de Onfray são sempre preciosidades, sempre impregnados de novidades e de olhares novos sobre os seres e as coisas.


Quanto a Freud, depois de balançar as cinzas de seu charuto sobre as páginas do livro em questão, resmungaria: - Ora, monsieur Onfray, o senhor sabe, e muito bem, que na essência todos somos fracassados, que no íntimo, todos somos mais ou menos fascistas, mais ou menos perversos sexuais e que, inclusive, qualquer um de nós enrabaria descaradamente a cunhada... A respeito do fato da psicanálise não curar nada ou coisa nenhuma, isto se deve a que os verdadeiros males deste mundo são incuráveis...

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Brasília 50 anos: A urbe e o chouvinismo 3.

Brasília 50 anos: A urbe e o chouvinismo 2.


Por escassez de gente honrada no aqui e no agora, costuma-se ir lá nos cemitérios do ontem desenterrar cadáveres aos quais se  atribuiu falsa e interesseiramente algum tipo de heroísmo... Malabarismo melancólico!

A festa continua. São inúmeras as igrejas que instalaram suas sacristias e seus oráculos por aqui. Os coroínhas e os pastores gritam para evitar a dispersão do rebanho. E pelo que se ve a turba comendo e bebendo por aí, somado ao sol demoníaco de quarenta graus e à secura, amanhã os ambulatórios e as clínicas estarão congestionadas...  E, claro, faltarão agulhas, seringas, aspirinas, talão de receitas, recepcionistas, médicos...

Brasília 50 anos: A urbe e o chouvinismo 1.

As caixas de som estremecem os ministérios.

Quem vai na lábia das mídias e dos espertalhões acaba acreditando que a festança é mesmo uma genuína manifestação popular de gratidão e de afeto para com a urbe, para com a vila, para com a cidade e sua gente.

Pura propaganda e pura manipulação das massas.

No meio dessa pajelança chouvinista locupletam-se secretamente  - e muito -  as mesmas panelinhas e os mesmos puxa-sacos.
Talvez realmente falte um índio no poder...

domingo, 18 de abril de 2010

FINALMENTE, ALGUÉM ME CONVENCE DA EXISTÊNCIA E DA FORMA DE DEUS...

Ontem, em pleno sábado, elegeram o novo governador do DF que, a partir de amanhã, gerenciará não apenas as chaves dos cofres, mas comandará as polícias e todos os demais órgãos opressores que constituem o Estado. Os mesmos energumenos que passaram as últimas décadas fazendo demagogia e proselitismo a respeito da "democracia" forjaram uma "eleição indireta", idêntica àquela do período ditatorial. Aliás, todas as eleições são indiretas. Pense, por exemplo, nos atuais candidatos à presidência da república. Quem os escolheu?  Quem os autorizou? Quem os legitimou? De onde vieram? Que lei e que lógica obrigam ao populacho votante depositar "confiânça" e "esperânça" em um deles? Pura impostura! 

E a cidade está ansiosa para as festas do dia 21 de abril, quando Brasília completará 50 anos. Auge da menopausa, com todos os sintomas que se conhece. Por todos os lados tendas, barracas, shows, circos, exposições, filmes, palestras, palhaços nos semáforos, poemas, fotos, declarações de amor, bandos de ingenuos simulando felicidade pelas entrequadras desse  "autorama stalinista"- como declarou recentemente um dos ministros de turno. Povera gente!

Mas isso tudo é bobagem, faz parte do show. O que importa mesmo é que meu correspondente me enviou um vídeo, (veja no endereço abaixo) onde em alguns segundos, dois pensadores filosofam e chegam a conclusão não apenas da existência, mas inclusive do enigmático formato divino.


http://www.youtube.com/watch?v=ZGgJhMu2dUk

quinta-feira, 15 de abril de 2010

O EX-TATUTO DO HOMEM: UMA RESIGNIFICAÇÃO CONTEMPORÂNEA DO POEMA DE THIAGO DE MELLO

Artigo primeiro – Fica decretado que agora já não tem mais sentido falar em liberdade. Agora só vale a vida, mas uma vida que possa estar a altura do incurável, onde, de mãos dadas, encurralados pela ilusão de nossas necessidades marcharemos todos para o esquecimento...

Artigo segundo – Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais luxuriosas e ensolaradas, não têm direito de converterem-se nas manhãs beatas e tediosas de domingo...

Artigo terceiro – Fica decretado que a partir deste instante não haverá mais girassóis em nenhuma janela e que as janelas devem permanecer o dia inteiro abertas para o verde devastado onde, além dos troncos carbonizados e dos restos do fogaréu não há nenhuma chispa de esperança...

Artigo quarto – Fica decretado que o homem precisará cada vez mais duvidar do homem. Que o homem não confiará no homem como a palmeira não confia no vento, como o vento não confia no ar, como o ar não confia no negro e tenebroso céu...

Artigo quinto – Fica decretado que os homens, com sua caridade hipócrita, jamais estarão livres do jugo da mentira, nunca mais poderão livrar-se da couraça do pensamento e nem da armadura das palavras. Que o homem jamais conseguirá sentar-se à mesa com o olhar limpo, porque na hipótese de alguma verdade ser-lhe servida antes da sobremesa, morreria intoxicado...

Artigo sexto – Fica estabelecida durante dez séculos a inverdade onírica do profeta Isaias, porque só mesmo nas lendas bíblicas o lobo e o cordeiro poderiam pastar juntos e porque a comida de ambos ou de qualquer outro animal jamais conhecerá o gosto da aurora...

Artigo sétimo – Por decreto irrevogável fica estabelecido o reinado permanente da injustiça e da obscuridade e a frustração será uma bandeira tenebrosa para sempre instalada no cérebro do povo...

Artigo oitavo – Fica decretado que a maior dor sempre foi e será sempre não poder vingar-se de quem se odeia e saber que é o oxigênio e o hidrogênio e não a água que dão à planta o colorido da flor...

Artigo nono – Fica proibido admitir que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu suor e da sua ternura. Já que - todos estamos de acordo – não há nada de mais plebeu e de mais esotérico de que um sentimento...

Artigo décimo – Fica permitido a qualquer pessoa, qualquer hora da vida, o uso de traje preto ou, se quiser, de livrar-se de qualquer roupa ou de qualquer vestimenta...

Artigo décimo primeiro – Fica decretado por definição, que o homem é um animal metafisicamente estrangeiro que não ama e que – independentemente disso – não tem a mínima chance de vir a ser radiante como a estrela da manhã...

Artigo décimo segundo – Decreta-se que mais coisas serão obrigatórias e mais serão proibidas, que só o rasteiro, o superficial e o tolo será permitido, inclusive brincar com rinocerontes e caminhar pelas tardes com uma imensa begônia na lapela...

Parágrafo único – Uma coisa que não será proibida: seguir mistificando e idealizando o amor...

Artigo décimo terceiro – Fica decretado que só o dinheiro poderá, a partir de agora, comprar o sol das manhãs vindouras. Liberto do tabu, da falsa modéstia e do fetichismo, o dinheiro seguirá sendo a espada fraternal para garantir a quem o possua, diversificar as misérias de seu cotidiano...

Artigo final – Fica obsoleto o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano vertiginoso das bocas. A partir deste instante a liberdade será algo em putrefação e fétido como um fogo de crematório ou um rio poluído. Sua morada será sempre subterrânea e mítica e jamais o coração do homem...

terça-feira, 13 de abril de 2010

SOLTARAM O GOVERNADOR...

Soltaram o governador. Os meritíssimos acharam que já não havia motivos para seguir mantendo-o enjaulado. É verdade. Tiveram a mesma opinião a respeito daquele pedreiro miserável de Luziânia. Aliás, a jaula, o presídio, a cadeia, o calabouço o zoológico... Todas as formas de aprisionamento são terríveis, vingativas e odiosas. Quem ouviu a mãe de um dos garotos assassinados desejando que o matador “apodreça na prisão!” sabe de que estou falando. Mil vezes a guilhotina que o cárcere! Mil vezes o açougue que o zoológico!
Apesar de que preso – diferente da gangue que ficou solta e no anonimato –  o ex-governador teve a oportunidade e o privilégio de poder tirar a maquiagem e de fazer contato com o isolamento, com a solidão, com o desamparo e, claro, com todas pequenas e nojentas misérias que nos são próprias. O dinheiro, a política, o poder e as artimanhas mafiosas para adquiri-los, são sempre placebos com os quais nos distraímos e com os quais tentamos amenizar a consciência de nosso vergonhoso e sinistro destino...

Ezio Flavio Bazzo

domingo, 11 de abril de 2010

A SÉTIMA ARTE, SEUS TRAPACEIROS E OS ESPÍRITOS...

Mesmo morto, Chico Xavier continua “bombando” no país. A mídia resolveu faturar sobre sua “aura”, ou melhor, sobre seus ossos. Além das 400 “psicografias” e do filme que já está sendo exibido por aí, outros cinco estão sendo produzidos, todos sobre a mesma etérea e pueril temática do “espírito”, essa falácia que dá a ilusão de mais fôlego e de mais longevidade aos náufragos. Chacalismo esotérico! Bovinização! Ração para patos! E o mais curioso, é que vemos cada dia mais os ignorantes e os alienados se expandirem em círculos como as bactérias. Vidas intrincadas! Mas como esse Ser poderia ser diferente, levando um bilhão de Escherichia coli nos intestinos? E atenção: isto que escrevo também está sendo psicografado. De quem é o espírito? Anônimo. Com a pretensão de extrair algum saber do além, pergunto: Diga-me três regras para conquistar a sabedoria na terra. E ele me responde com os mesmos chavões manufaturados dos pastores e dos beatos da esquina: fé, amor, compaixão. Que pobreza e que mesmice deve ser também lá pelo abismos do além! Não satisfeito, peço que me diga o que os políticos cariocas fizeram com o dinheiro com que deveriam ter saneado os morros, que me descreva superficialmente a Teoria da Relatividade ou até mesmo a fórmula química da água. Ele não sabe e fica em silêncio. Será que também passou pela escola pública? Será que o “espírito”permanece alienado e analfabeto até mesmo depois da “ressurreição” e da “reencarnação”? Que mundo fraudulento, para não dizer flatulento!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Os laudos das autoridades cariocas e o laudo da parteira baiana...

Ouvindo as justificativas, as desculpas, os improvisos, o descaro dos gatunos, as promessas e os laudos fajutos que tentam atribuir nosso atraso, nossa incompetência crônica e a atual desgraceira no Rio de Janeiro às intempéries e aos desvarios da natureza, encaixo aqui algo mais do que insólito –que me foi enviado por um correspondente - acontecido há alguns anos na cidade baiana de Sapeaçú.

Registrando a queixa de uma moça que se dizia deflorada pelo namorado e na ausência de médico na cidade, o delegado pediu um laudo, por escrito, a uma parteira conhecida da região para anexar ao processo.

Eis o laudo proferido pela profissional:

"Eu , Maria Francisca da Conceição, parteira mó do destrito de Jenipapo, estado da Bahia, cidade de Sapê, declaro para o bem do meu ofício que, examinando os baixos fuditórios de Maria das Mercedes, constatei manchas rôxas na altura da críca, que para mim, ou foi supapo de pêia ou cabeçada de pica. É vardade e dou fé."

domingo, 4 de abril de 2010

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO... E OS OVOS...

Acreditando que a sexta-feira era realmente dedicada à paixão, um senhor andarilho e uma senhora mendiga não se intimidaram em fazer sexo em plena luz do dia ali na esquina da Catedral. Surpreendidos, tiveram que vestir os farrapos às pressas e ainda experimentar a “paixão” canina e laica das botas de dois PMs. Nos arredores, crucificam novamente a Cristo. Já assisti esse capítulo umas cinqüenta e seis vezes. E os sádico-masoquistas estão sempre lá, aos milhares. Enquanto isto, o Vaticano faz o que pode para justificar a “comilança” de bambini pelo mundo. É uma visão ingênua achar que a igreja e o celibato são usinas de taras e de pedofilia. Não. Pelo contrário. São os problemáticos, os perversos e os pedófilos que vão fundar igrejas, militar dentro delas, recrutar semelhantes, abusar deles e fazer apologia do celibato. E depois, todos sabem que a “abstinência” é a forma mais sofisticada de lascívia. Do jeito que as coisas vão, a igreja católica só conseguirá sobreviver se seus exegetas alterarem rapidamente algum versículo – como já fizeram centenas de vezes – atribuindo a algum ignorante chefe de tribo de então,  uma insinuação ou um código messiânico qualquer que autorize, em casos excepcionais, de preferência em nome da Santíssima Trindade, o abuso de crianças. E Deus, com seu silêncio cumplice? Que reflexão estaria fazendo a respeito da patifaria de seus gerentes? Arrependido de ter colocado uma cloaca e oito centímetros de pele no meio das pernas dessa gente? Ou apenas achando isso tudo muito engraçado?