"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Por que essa obsessão pela República?


A recente atuação do STF com relação ao julgamento dos quarenta vivaldinos do mensalão e mais a cassação do Presidente do Senado que deverá ocorrer na semana que vem – a contragosto de muitos daquela casa - dará mais um fôlego e mais uma ilusão à ingênua população brasileira que, de tantos sapos, frustrações e vexames que vem engolindo pelos anos afora, contenta-se agora com uma demagogia aqui, com uma performance estatal populista acolá, com frases de efeito e com promessas vãs, sem conseguir enxergar que o regime republicano, com seus falsos poderes, suas eleições, nomeações, com seu fisco, com sua burocracia etc é um equívoco que se instalou misteriosamente em todo o planeta mantendo um

Poder desmedido nas mãos de corjas e de gangues ao mesmo tempo em que conserva a possibilidade de soberania humana algemada. Ao invés dos milhares de Comissões espalhadas pelos ministérios e pelos Estados para especular infinitamente sobre o óbvio e sobre idiotices, bem que poderia existir uma, pelo menos uma com a função de inventar às pressas outra maneira de se administrar a vida pública para, com isso, podermos finalmente sair desse clima de cloaca e jogar nossa atual e caquética herança platônica no lixo.

Ezio Flavio Bazzo

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Juazeiro do Norte, 23 de agosto de 2007


Sem estar de maneira nenhuma querendo fazer apologia daquelas mulheres esqueléticas e anoréxicas que a mídia tanto gosta de exibir, a verdade é que a quantidade de obesas que tenho visto mesmo aqui no sertão tem me causado certo broxeamento mental. Das vinte e tantas que fazem parte de uma excursão e que estão hospedadas no mesmo hotel que eu, - por exemplo - apenas duas ou três não estão além dos noventa quilos. As beatas que freqüentam diariamente as missas e mesmo as mendigas da Igreja Nossa Senhora das Dores, vejam como é grave, estão mais ou menos na mesma média.

Na fila do mercado, hoje à tarde, prestei bem atenção, a grande maioria tinha um traseiro, umas coxas e umas tetas de causar espanto, sem falar dos conhecidos e famosos pneus tanto no abdômen como nas costas. O que estaria acontecendo com esse gênero? O que estaria por detrás dessa compulsão por comida? A resposta, seja ela qual for, parece não ter eco. O problema é que ficar muito tempo exposto a um cenário destes é dar chances para que comecem aparecer em nós os primeiros rugidos da decepção e até da misoginia.

Ezio Flavio Bazzo