"Meus textos são como o pão do Egito, a noite passa sobre eles e já não podes mais comê-los" (Rumi)

sábado, 25 de março de 1995

Toaletes e Guilhotinas: uma epistemologia da merda e da vingança


Vasos de louça, papel higiênico, óleo de rícino, constipação, yoga para cagar, hemorróidas, seringas (clystère), cólicas, o milagre do Aloés, hidroterapia, suco de ameixas, as letras, os doutores, a filosofia, a política e a impossibilidade de soltar a merda.

Toaletes públicas como lugar de (rendez-vous), velhinhas limpando o mijo nos ladrilhos e os resíduos escuros que grudam nas laterais dos tronos. Grafitos: como uma inspiração impávida, solitária, revolucionária e niilista.
A privada como transmissora de tudo, como confessionário, como esconderijo, alcova, divã... e a merda como o mais sólido e mais impopular de todos os tabus.

Injeções venosas, Pentotal, surras, pauladas, choques, fuzilamentos, enforcamentos, esquartejamentos, a cicuta, as fogueiras (santas) das paixões inquisitórias, o afogamento, o pelourinho, o cianureto, a espada dos orientais na nuca dos traficantes, dos adversários e das mulheres adulteras.

A guilhotina! Homens cortando a cabeça de outros homens! A indústria da morte se camufla nas sombras como um chacal, como um vampiro ou outro (ser) que mantém mil disfarces e mil artimanhas... E no meio de todo esse espetáculo macabro, sempre e sempre os homens: mentirosos, cagões, exploradores, contadores de vantagens, enfim, uns merdas encurralados.